19 de nov de 2013

10 coisas que vão revolucionar o mundo

A química das emoções - Helen Fisher, bióloga - Universidade Rutgers
Segurar a mão de alguém gera uma sensação de confiança - porque estimula a produção do hormônio ocitocina. Quando você vê uma pessoa rindo e tem vontade de sorrir também, é por causa de um tipo de circuito cerebral: os neurônios-espelho. Num beijo de língua, a saliva fica carregada de testosterona (que estimula o desejo sexual). Nós já começamos a descobrir o que move as emoções humanas. No futuro, vamos entender os mecanismos que regem todos os nossos desejos e sentimentos. Isso levará à criação de um novo arsenal de substâncias químicas, que cada vez mais as pessoas usarão para manipular sua própria mente. E, ao mudar as mentes, uma de cada vez, vamos mudar tudo o que existe.

veja matéria completa, reproduzida da SUPER:


10 coisas que vão revolucionar o mundo

A Fundação Edge, nos EUA, perguntou aos 151 maiores cientistas e experts do mundo: Qual é a descoberta, ou invenção, que vai transformar a humanidade? Nós selecionamos as 10 melhores respostas. Depois de lê-las, sua cabeça jamais será a mesma.

O cruzamento entre homem e animal - Richard Dawkins, biólogo - Universidade de Oxford
Um cruzamento bem-sucedido entre homem e chimpanzé. Isso é um enorme tabu, mas não é impossível. Poderíamos criar um embrião experimental. Mesmo que gerasse uma criatura estéril, como o jumento, isso teria um impacto salutar sobre a sociedade, pois nos faria redefinir o que vem a ser humano. Hoje, nós encaramos as células humanas como se elas tivessem algo de especial ou sagrado, e fossem eticamente diferentes das células animais (mesmo quem é contra a eutanásia em humanos, por exemplo, não se oporia a colocar para dormir um bichinho de estimação que estivesse sofrendo). E isso vai contra a Teoria da Evolução. Mas uma demonstração prática da evolução, com o cruzamento entre homem e chimpanzé, mudaria tudo. Como já conhecemos inteiramente o DNA do homem e do chimpanzé, outra possibilidade é usar a engenharia genética para reconstruir nosso ancestral comum. Traríamos o australopiteco de volta à vida. E isso poderia (posso dizer que vai?) mudar tudo.

Aliens vivendo na Terra - Paul Davies, físico - Universidade do Arizona
Charles Darwin, 150 anos atrás, nos deu uma teoria convincente sobre a evolução. Mas a origem da vida continua sendo um dos maiores mistérios de todos os tempos. Os cientistas estão convencidos de que todas as espécies têm a mesma origem e fazem parte de uma só linha evolutiva. Mas e se não tiver sido assim? E se a vida na Terra tiver começado não uma, mas duas (ou várias) vezes? Eu acho bastante provável que o nosso planeta possua uma segunda biosfera, com criaturas que surgiram e evoluíram à parte das espécies que conhecemos; o produto de uma segunda gênese. Esses organismos aliens podem estar em nichos onde a vida como a conhecemos não poderia existir, devido ao excesso de calor, frio, acidez ou outras variáveis. Também podem estar bem debaixo do nosso nariz - ou até dentro dele. E, se a vida pôde começar duas vezes na Terra, isso torna bem mais provável que exista também em outros lugares. Descobrir a segunda biosfera nos daria propriedade para afirmar: não estamos sozinhos no Universo.

Vida Artificial - 
Craig Venter, geneticista - Mapeou o DNA humano


Nós seremos capazes de criar DNA. Na verdade, eu e meus colegas já fizemos isso - nós fabricamos um cromossomo de bactéria em laboratório. No futuro, a humanidade vai projetar seres vivos para realizar tarefas específicas: microorganismos cujo único propósito seja fabricar combustível ou eliminar a poluição ambiental, por exemplo. O DNA é o resultado de 3,5 bilhões de anos de evolução da vida na Terra. O domínio sobre ele vai mudar nossa maneira de ver a vida. E a própria definição de vida. "A ciência vai prolongar a juventude do cérebro - e os adultos serão capazes de aprender com a mesma facilidade das crianças." Alison Gopnik, psicóloga - Universidade de Berkeley

A destruição de todos os computadores - Anton Zelinger, físico - Universidade de Viena
Um dia, todos os circuitos eletrônicos do mundo serão destruídos. Não haverá eletricidade nem água. Os carros e celulares vão deixar de funcionar. E ninguém poderá acessar a internet para saber o que aconteceu. A causa dessa catástrofe será um gigantesco pulso eletromagnético, gerado pela explosão de uma bomba atômica no espaço. A menos que nos livremos de todas as armas nucleares, o que é extremamente improvável, isso vai acontecer.

O fim do trabalho - 
Ed Regis, escritor - Autor de 8 livros sobre ciência
E se fosse possível criar máquinas microscópicas, capazes de produzir objetos de qualquer tamanho, e de qualquer tipo, a partir do zero? Elas seriam programadas para fazer um carro, um barco ou uma nave espacial sozinhas, sem precisar de ajuda - só um fluxo constante de alguns elementos muito simples, como luz, oxigênio e carbono. A ideia soa absurda, mas só até você perceber que objetos tão grandes e tão complexos quanto as baleias, os dinossauros e os humanos se formaram assim - começaram como estruturas muito simples, que foram se duplicando e modificando sozinhas. As fábricas do futuro funcionarão sozinhas, e vão deixar tudo tão barato que a pobreza vai acabar. Isso só levanta um problema. O que as pessoas, libertas de seus trabalhos, vão fazer com todo o seu tempo livre?

5ª dimensão - Gino Segrè, físico - Universidade da Pensilvânia
A Teoria da Relatividade revolucionou a ciência, mas mudou muito pouco no dia-a-dia das pessoas. Se no futuro descobrirmos que existem outras dimensões [além das 3 que constituem o espaço e uma que representa o tempo], isso terá um efeito profundo na psique humana - nos dará a confiança de que fenômenos inimagináveis estão por ser descobertos. Hoje, as teses mais em moda entre os físicos, como a Teoria das Supercordas, presumem a existência de outras dimensões. A busca já começou, e estão surgindo estudos interessantes a respeito, que também podem encontrar a chamada matéria escura [um componente misterioso do Universo]. Os desafios serão enormes, mas as recompensas também.

A genética das raças - Jonathan Haidt, psicólogo - Universidade da Virgínia
Hoje, a ideia de que as diferenças comportamentais entre grupos étnicos possam ter alguma base genética é considerada ofensiva. Mas, conforme o genoma das pessoas for sendo decodificado, nós vamos encontrar dezenas ou centenas de diferenças entre as etnias. A constatação de que grupos diferentes adquirem determinadas virtudes de maneira diferente, e que isso tem fundamentos genéticos, é o que vai mudar tudo. E deverá detonar uma guerra entre os cientistas na próxima década - que fará as discussões dos anos 1990, com o debate sobre a “curva do sino” [tese que defendia uma explicação genética para a diferença de QI entre povos], parecer pequenas. Mas espero que cheguemos a um consenso: a ciência não é racista. E que as (muitas) qualidades e (poucas) fraquezas das etnias, como as dos indivíduos, sejam reconhecidas como dependentes do contexto em que vivem.

Telepatia - Freeman Dyson, físico - Universidade de Cambridge
No final do século 21 será inventado um microimplante neurológico, com 100 mil circuitos, que permitirá transmitir pensamentos, sentimentos e ordens de um cérebro para outro. Isso será um grande instrumento de mudança social - para o bem e para o mal. A telepatia poderá ser a base do entendimento entre as pessoas e da paz mundial, ou um forte instrumento de opressão. Para evitar abusos, teremos leis defendendo um novo direito humano: o de desligar o chip telepático a qualquer momento.

A química das emoções - Helen Fisher, bióloga - Universidade Rutgers
Segurar a mão de alguém gera uma sensação de confiança - porque estimula a produção do hormônio ocitocina. Quando você vê uma pessoa rindo e tem vontade de sorrir também, é por causa de um tipo de circuito cerebral: os neurônios-espelho. Num beijo de língua, a saliva fica carregada de testosterona (que estimula o desejo sexual). Nós já começamos a descobrir o que move as emoções humanas. No futuro, vamos entender os mecanismos que regem todos os nossos desejos e sentimentos. Isso levará à criação de um novo arsenal de substâncias químicas, que cada vez mais as pessoas usarão para manipular sua própria mente. E, ao mudar as mentes, uma de cada vez, vamos mudar tudo o que existe.

Fonte:http://super.abril.com.br/cultura/10-coisas-vao-revolucionar-mundo-621680.shtml

Um comentário:

LEIA, COMENTE, E DIVULGUE!