27 de jan de 2016

pequeno poema molhado de sol

pequeno poema molhado de sol

A chuva que cai do céu
nem são grotas
grãos
são só espelhos mirando os olhos de luz
serão gestículos, verbetes, senões?
acaso, desmesuras, botões-em-flor?
se forem teus beijos, distâncias
aluviões
bem pertos me Isolas, te quedas Tristão
(Lio Ribeiro  -  do inédito "poemas para ler sob a chuva”)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEIA, COMENTE, E DIVULGUE!