8 de nov de 2013

Área de Serviços é destaque no setor cultural


Nas pesquisas estruturais econômicas de 2010 e considerando apenas o setor cultural, os serviços concentraram 51,8% do número de empresas, 58,2% do pessoal ocupado, 63,2% dos custos totais e 63,8% da receita líquida. As empresas e outras organizações de até quatro pessoas ocupadas que constituíam o universo do Cadastro de Central de Empresas são as que respondem pelo maior percentual dos ocupados em atividades culturais (25,7% em 2010). Os gastos governamentais com a cultura subiram de R$ 4,4 bilhões em 2007 para R$ 7,3 bilhões em 2010. Excluindo as despesas com telefonia, as famílias gastaram em 2009 uma média de 5,0% do total do orçamento mensal (R$ 106,32) em produtos e serviços relacionados à cultura. Entre os trabalhadores do setor cultural, prevalece um nível de instrução mais alto que o observado entre os ocupados no mercado de trabalho em geral.

Estas são algumas das informações que constam no estudo Sistema de Informações e Indicadores Culturais 2007-2010, realizado em parceria com o Ministério da Cultura com o objetivo de organizar e sistematizar informações para a construção de indicadores relacionados ao setor cultural brasileiro. Esta terceira edição (os resultados não são comparáveis com os estudos anteriores) utiliza dados do Cadastro Central de Empresas (CEMPRE), da Pesquisa Industrial Anual-Empresa (PIA Empresa), da Pesquisa Anual de Comércio (PAC), da Pesquisa Anual de Serviços (PAS) e dos gastos públicos com a cultura para a análise de 2007 a 2010, além da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009 e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2007 a 2012. A publicação completa está disponível no link www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/indic_culturais/2010/

Um comentário:

LEIA, COMENTE, E DIVULGUE!